Dólar: 3,1264

Diretor da Luft Logistics comenta em entrevista sobre parceria com InPev em Logística Reversa


O Diretor da Luft Logistics, Vladimir Donega, concedeu uma entrevista para falar sobre a logística de defensivos no Brasil.

Com mais de 20 anos de experiência no agronegócio, através de importantes empresas do setor agroquímico, Vladimir já atuou como Gerente de Contas, Representante de Vendas, Diretor Comercia e Gerente Comercial, atividades relacionadas a importantes empresas do Brasil. 

 

1. A Luft opera no segmento de defensivos agrícolas desde a década de 70 e, portanto, vem acompanhando o desenvolvimento deste mercado ao longo dos anos. Como foi o ano de 2016 para a Luft no segmento de defensivos e quais as perspectivas para 2017?

A Luft, como você mesmo menciona, é uma empresa que desde os anos 70 participa deste incrível mercado, na qual oferece sempre inovações e novos serviços que visam à melhoria contínua dos seus clientes. Nos últimos anos estamos em pleno alinhamento com o mercado colocando toda nossa estrutura para pensar em como otimizar e melhor servir os clientes dos nossos clientes.

O ano de 2016 deixou a desejar. Foi um ano de muita reestruturação no mercado de Defensivos Agrícolas e muitas movimentações da indústria buscando reduções de custo, que afetaram de forma significativa nossas receitas e consequentemente nosso resultado. Mesmo assim terminamos o ano com algumas conquistas que esperamos que possa nos dar suporte para uma recuperação importante para os anos subsequentes. A principal delas foi conquistarmos a confiança da Nufarm para sermos o operador logístico para o Brasil em um projeto inovador com um conceito ainda não utilizado pela indústria no Brasil chamado Fourth Party Logistics (4PL), que por definição técnica indica que nós da Luft passamos a ser um agente integrador de toda cadeia Logística. Essa confiança muito nos honrou.

O mercado em 2017, como já indicado pela Indústria, não deve crescer de forma significativa, mas, como já citado, a Luft mantém o compromisso com o mercado e vem como sempre investindo em ativos para atender os clientes. Inauguramos na safra de 2016/2017 um Centro de Distribuição (CD) na cidade de Sorriso/MT que, com um conceito inovador, será um complexo de serviços ao agricultor, colocando a Indústria e o Produto Rural mais próximo, levando tecnologia e segurança a este mercado. Este complexo será marcado pela capacidade de suportar os agricultores com seus estoques de Defensivos bem como o de Sementes, pois para esta safra inauguraremos o CD de Sementes em Julho/17. Além disso, como parte da estratégia e inovação inauguramos neste mês de Maio/17 o novo CD de Cuiabá/MT. Continuando esta estratégia em 2018 estaremos com mais um complexo de serviços logísticos no MT.

Ainda em 2017 estamos ampliando, pelo 4º ano seguido, o CD de Carazinho/RS, bem como aumentando a capacidade de nossos CD’s em Luís Eduardo Magalhães/BA, onde redimensionamos nossa capacidade de produtos inflamáveis, eclusa, docas, pátio e novas instalações do escritório administrativo. Iniciamos também a construção de um novo CD em Ibiporã/PR que será entregue em Janeiro/18.

Outro ponto a ser ressaltado são os inúmeros investimentos em tecnologia. Hoje todos nossos motoristas possuem um celular com acesso a internet, onde nele vários serviços estão conectados, entre eles tracking dos produtos, acompanhamento de jornada, baixa de entrega, entre outros.

Enfim a Luft tem como estratégia o colocar o cliente em primeiro lugar e o atendimento com excelência neste mercado.

2. A logística de defensivos agrícolas é uma importante e rigorosa atividade devido às regras que são colocados a estes produtos. Atualmente quais são os desafios e riscos da operação logística de defensivos no país e quais melhorias deveriam ser implementadas?

A Logística de Defensivos Agrícolas é altamente regulamentada e com uma fiscalização exaustiva tanto das autoridades bem como da sociedade civil. Desta forma as regras são demasiadas e temos uma legislação que por muitas vezes nos impõe custos e cuidados extremos.

Nós, como uma companhia ética e seguidora das regras, sofremos muito com concorrência desleal. A banalização das contratações e a falta de conhecimento de muitas empresas dos reais custos e responsabilidades impõe a este mercado uma degradação da qualidade e de capacidade de reinvestimento neste setor, que sofre com o aumento de custos e reduções de tarifas.

Os principais desafios operacionais são o de Gerenciamento de Riscos, causado pelo crescente aumento de roubo de Defensivos Agrícolas nas principais regiões consumidoras. Outro ponto é o aumento da concentração das vendas nos fechamentos mensais colocando toda cadeia em risco, pois pressiona o sistema que normalmente entra em colapso.

Melhorias em Logística são realizadas quando se dá padrão às operações. Desta forma, os embarcadores deveriam melhorar a gestão dos seus estoques, estando mais próximos de seus clientes e diminuindo a concentração das vendas nos últimos dias do mês. Toda esta concentração pressiona também o gerenciamento de risco aumentado a possibilidade de ocorrer roubos e desvios.

3. O Sindiveg projeta uma redução de 3% do mercado de defensivos em 2017. Como este movimento interfere na operação da Luft? Existe uma equipe especializada dentro da empresa destinada a apenas esta operação logística de defensivos?

Estamos sentindo este momento do mercado desde 2016, quando o mercado caiu 1,4%. Tivemos anos anteriores de crescimento na casa de dois dígitos e agora temos que nos reinventar. Como já citado, nossa vida foi construída neste mercado e vamos continuar investindo nele.

Sim, somos focados neste mercado. Pensamos e vivemos esse mercado todos os dias.

4. A logística reversa é um assunto muito discutido no mercado de defensivos e que vem aumentando conforme as normas ambientais ficam mais rígidas. Atuando fortemente nesta atividade, como foram as operações em 2016 e quais são as perspectivas para este ano? Há investimentos nesta área por parte da Luft?

Em 2016 tivemos um novo recorde de coleta destes materiais. O trabalho realizado em conjunto com o InPev é incessante. A InPev vem desenvolvendo um trabalho impecável limpando as áreas de possíveis impactos ambientais e realizando investimentos importantes na reciclagem dos materiais diminuindo ainda mais os impactos ambientais.

Para 2017 a estratégia continua. A Luft suporta todas as ações realizadas pelo InPev desde a criação da mesma, onde tivemos o prazer de participar ativamente no desenvolvimento de toda estratégia operacional. Os investimentos são realizados sob demanda, bem como em conjunto, e acontece sempre que temos a solicitação. Em 2017 iniciaram as operações dos impróprios, que são os produtos vencidos que estão nas propriedades rurais. Essas operações estão sendo efetuados pelo InPev em conjunto com a Luft.

5. A Luft atua também na aplicação de defensivos agrícolas por meio de equipamentos Auto Propelidos e utilizando o conceito de agricultura de precisão. Dando ênfase a este conceito, qual a visão que você tem para este mercado de agricultura de precisão e como a Luft está se preparando para ele?

Este mercado ainda está imaturo e não vem se consolidando no Brasil. Falta muito ainda para uma consolidação e segurança jurídica para que possamos seguir investindo. São investimentos importantes com custos fixos anuais e receitas restritas à safra. Desta forma este mercado não vem se desenvolvendo como imaginávamos quando iniciamos e projeto.

Já desenvolvemos vários projetos para a Indústria e esbarramos sempre nos custos de referência do agricultor, mas com certeza para o futuro da agricultura entendemos que o caminho da Agricultura de precisão é um caminho sem volta. Os detalhes na utilização dos insumos vão fazer a diferença para o futuro da agricultura. Não existe mais espaço para o desperdício.

Equipe GlobalAgrochemicals, 16/05/2017

 



© 2017 Global AgroChemicals - Todos os direitos reservados

Principal provedor de conteúdo do mercado de defensivos